Wellington Alexandre de Farias nasceu em Serraria, no brejo paraibano, há 53 anos. Seu primeiro emprego, aos 13 anos, já tinha relação com a comunicação. Wellington foi mensageiro de posto telefônico. Quando alguém ligava para o posto de Serraria querendo falar com algum morador, era ele quem ia até a casa do cidadão avisar sobre a chamada. Radicado em João Pessoa desde 1972, tem uma longa história no Jornalismo paraibano. Em 2011 se tornou um dos integrantes do trio que compõe o Correio Debate, da rede Correio Sat. Bem ao seu estilo, ele conversou com o Televisonário e não fugiu de polêmicas.
Comecei na imprensa na Rádio Tabajara, então PRI-4 com sede na Rodrigues de Aquino, no centro de João Pessoa. Fui levado pelo jornalista Gilvan de Brito, então diretor de jornalismo da Tabajara. Não sabia nada de jornalismo, noticia etc. São lia e ouvia. O grande redator Armando Nóbrega estava para sair da emissora. Eu desempregado, ainda muito jovem, e conhecia Gilvan que me ofereceu a chance. O cavalo estava passando selado e eu montei. Era um desafio, sobretudo para um jovem do meu nível cultural e de conhecimento zero de jornalismo. Aceitei o convite e comecei como rádio-escuta. Ouvia os noticiários da Rádio Globo, "O Globo no ar". Gravava num gravador de rolos de fita. Transcrevia tudo para o papel e passava para o locutor ler na hora do noticiário nacional e internacional.
Mais sobre Wellington Farias: http://blogtelevisionario.blogspot.com.br/2011/06/entrevista-wellington-farias.html
Este locutor não está apresentando em nenhum horário