Homenagem à Hélio Santisteban com a tradução de Alone (sozinho), por Marcos Matias/Narriman Richert
Homenagem à Helio Santisteban com a tradução de Alone (sozinho), por Marcos Matias/Narriman Richert Breve relato do trabalho de Hélio Santisteban... Na época, o grande público chegou a pensar que os PHOLHAS fossem estrangeiros, mas os rapazes sempre fizeram questão de explicar que eram apenas 4 músicos brasileiros cantando em inglês, tendo como objetivo internacionalizar seu trabalho. Na sequência vieram os sucessos: She Made Me Cry, Forever, I Never Did Before, Get Back, My Sorrow, entre outros, firmando os PHOLHAS como um dos maiores nomes do cenário musical brasileiro e internacional. No início de 1977, após gravarem por pressão da gravadora o LP “O Som Das Discotheques”, Hélio deixa a banda para tentar carreira solo e em seu lugar entra o tecladista Marinho Testoni, ex “Casa das Máquinas”. No final desse mesmo ano lançam o LP homônimo “PHOLHAS” voltado para o rock progressivo e com uma grande novidade: cantado em português, significando uma mudança radical no estilo da banda até então. O disco não chegou a ter vendagem expressiva, porém acabou virando “cult”, e ainda hoje é muito disputado pelos colecionadores. No final de 1978, é a vez de Oswaldo Malagutti deixar a banda para dedicar-se ao projeto pessoal de montar um estúdio de gravações e que viria a ser o “MOSH STUDIOS”. Em seu lugar entrou João Alberto, ex “Casa das Máquinas”, assim como Marinho. Em 1979 Hélio desiste da carreira solo e os PHOLHAS o acolhem novamente. Voltam a gravar no estilo que sempre os consagrou: cantando e compondo canções românticas em inglês, e lançam dois trabalhos: "MEMORIES" (1980) "DISCO DE OURO - VOL II" (1981) Com a saída de Marinho Testoni, em 1981, os PHOLHAS lançam em ordem cronológica, os seguintes discos: 1982 - “PHOLHAS” 1985 - “WINGS”, incluindo a versão em inglês do clássico “Asa Branca” de Luiz Gonzaga. 1987 - “THE NIGHT BEFORE” 1988 - “CÔRTE SEM LEI”, segundo disco cantado em português. 1995 - “DISCO DE OURO”, reedição em CD do LP homônimo de 1977. 1996 - “PHOLHAS - 25 ANOS” 1998 - “PHOLHAS Forever - 26 anos” 1999 - “DEAD FACES”, que é um relançamento remasterizado do primeiro LP. 2000 - “HITS BRASIL”, contendo 2 CDs com os principais artistas brasileiros dos anos 1970 que gravavam em inglês 2001 - “PHOLHAS – Ao Vivo no Brasil” 2003 - “PHOLHAS, 70’s GREATEST HITS” 2005 - “PHOLHAS”, reunindo 17 canções que foram grandes sucessos da banda, sendo que algumas antes só existiam em vinil. Em 2007 Hélio Santisteban sai definitivamente da banda e fez carreira solo até 26/08/2018 quando faleceu dormindo. Uma das músicas que Hélio trabalhava em "silêncio" é esta nesta homenagem, pois Alone (sozinho) representava no momento o fato dessa canção refletir na carreira solo que permitia à Santisteban fazer muitos shows pelo Brasil e foi a música que o próprio definiu como "não para agora", mas sendo como o próprio disse, Alone é contemporânea de My Mistake e passou anos "guardada", sendo gravada por Hélio com "ajustes" das participações da meso soprano Ida Latrônico e Aru Jr. O radialista, jornalista e apresentador Marcos Matias(Cabedelo PB), em contato com o também radialista e apresentador Adalberto FerrariPb (Canal no YouTube - https://www.youtube.com/user/APVF2007) que tem uma rádio web denominada http://recordarfazbem.com (João Pessoa PB), resolveram homenagear Hélio com a tradução de Alone com a participação da terapeuta Narriman Richert(Pirassununga SP), todos fãs do cantor Hélio Santisteban que tambem criou uma banda chamada Phorever com "PH", mesmo. O resultado desta singela homenagem contou com o apoio de Cláudia Clau Santisteban, ex-esposa(viúva) do músico.
COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!