Faça o seu PEDIDO DE MÚSICA

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

VOLUME
Carregando música...

Últimas músicas tocadas Últimas músicas tocadas

Cidades/Países Online Cidades/Países Online

Países visitantes Países visitantes

free counters

 

Redes Sociais/Blog/Canal/Contatos Redes Sociais/Blog/Canal/Contatos

FacebookWhatsAppYouTubeTwitterBlog

Seja um patrocinador do site Seja um patrocinador do site

Estatística Estatística

Visitantes: 62133
Usuários online:

Recados Recados

Bill Brasil | Santos - SP

Parabéns ao Rogério Azevedo.. Ótimo cantor . Desejo muito sucesso a ele.

Bill Brasil | Santos - SP

Parabéns meu amigo Xanndy. Seu programa é maravilhoso. Abraço de seu fã e amigo. Bill Brasil

Bill Brasil | Santos - SP

Parabéns amigo Ferrari e sucesso cada vez mais. Grande abraço

Xanndy Reys | João Pessoa - PB

Ferrari, parabéns pelo seu belo trabalho! Músicas do presente, do passado e até do Futuro! Grande abraço de seu amigo locutor, Altamente Conectado!

Hora Certa Hora Certa

Praia do Poço - Canta: Antônio Carlos

Praia do Poço (Poesia de Adalberto Peixoto de Vasconcelos/Música de Antônio Carlos de Araújo) canta Antônio Carlos Poema retirado do livro "Nunca é Tarde" do Adalberto Peixoto de Vasconcelos, falecido em 7 de Novembro de 2013, foi poeta, ventríloquo, artista plástico e artista teatral na década de 60, trabalhando junto com seu tio Cynthio Cilaio Ribeiro, conhecido como "vovô Cilaio". Era conhecido por familiares como "Betu" e por amigos como "Peixotinho". Ele é o pai do Adalberto Ferrari da web radio Recordar Faz Bem, que mostrou este livro de poesias ao amigo, músico paraibano Antônio Carlos (ex-vocalista da banda OS DIPLOMADAS e Sampaio banda), logo de cara, ele gostou do poema "Praia do Poço " e pediu pra musicar. Poesia: PRAIA DO POÇO Autor: Adalberto Peixoto de Vasconcelos Praia do Poço querida Mar verde da minha vida Céu azul da cor de anil Com os seus altos coqueiros E os bravos jangadeiros Os maiores do meu Brasil. Lembro-me de Seu Toinho Já cansado e bem velhinho Contando os segredos do mar Mar agitado, onda encrespando Vá seus barquinhos guardando Que não adianta pescar. O pescador nordestino É cursado desde menino Internando a jangada Nas águas do mar bravio Com coragem e desafio Na mais fria madrugada. Agente só vê bem distante Sumindo no horizonte A ponta das brancas velas Suas mulheres ficam orando A Deus do Céu, implorando Que eles voltem prá elas. Oh! corajosos jangadeiros Que em seus rudes veleiros Vão nas profundezas pescar Ainda dizem prazenteiros - Disse um poeta praieiro "Como é doce morrer no mar..."

Deixe seu Comentário